O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

domingo, 21 de agosto de 2016

Tesouro Escondido - Sharon Kendrick

(Título Original: The Ruthless Greek's Return
Tradutora: Angela Monteverde
Editora: Harlequin
Edição de: 2016)


Chamas do passado

Loukas Sarantos já foi guarda-costas dos homens mais poderosos do mundo. Agora, esse grego implacável é um deles. Com sua mais nova aquisição, finalmente conseguirá vingar-se de Jessica Cartwright, a única mulher que ousou abandoná-lo. Como garota-propaganda da joalheria de Loukas, Jessica precisa acatar todas as suas ordens... e ele aproveitará cada segundo para tê-la sob controle. Mas quando a antiga paixão ressurge, Loukas percebe que ela é joia mais preciosa que já vira... e fará de tudo para possuí-la novamente.



Palavras de uma leitora... 


"A dor física não tinha problema, mas a emocional era insuportável. Aprendera que só havia uma maneira de permanecer imune. Não se envolver. Não deixar ninguém chegar perto demais."

- Excelente maneira de se proteger, certo? E também de destinar ao fracasso qualquer relacionamento... 

Após uma infância marcada pela separação dos pais, a morte da mãe e a ida para a casa do pai, que vivia ao lado da mulher que causou a separação e com quem tinha uma filha adorada, Jessica aprendera a esconder seus sentimentos. A jamais demonstrar o que sentia. E a permanecer o mais distante possível de outro ser humano. Não era à toa que passara a ser conhecida como Rainha do Gelo. Mas toda sua força de vontade e reservas não são suficientes para fazê-la resistir ao charme de Loukas e às suas tentativas de envolvê-la. Ela acaba completamente apaixonada por ele e, tempos mais tarde, é invadida por todos os sentimentos que tentara evitar. Pela dor que jamais imaginou voltar a sentir...

Jessica e Loukas iniciam um relacionamento proibido e ainda mais intenso justamente por isso. Ambos tinham seus próprios motivos para ocultar dos demais aquilo que viviam, aquilo que os unia e enlouquecia. Só que tudo termina rápido demais. Deixando um vazio na vida dos dois. E uma amargura que os acompanharia pelos próximos oito anos...

Após a morte do pai e da madrasta num terrível acidente, Jessica acaba responsável pela meio-irmã de 10 anos e a quem ela não acreditava amar. Mas as circunstâncias acabam por aproximá-las e uma na outra... encontram a cura para suas feridas. Jessica perdera tudo que tinha na vida. A mãe, o pai, o tênis que havia sido sua maior paixão durante tanto tempo e... Loukas... o homem para quem entregara não só sua inocência como também seu coração. Em Hannah, ela encontra forças para seguir em frente e recomeçar. Mas quando a irmã parte para seguir seu próprio caminho, Jessica se vê de novo sozinha... tendo que lidar com as lembranças do um dia tivera e da tristeza pelo que poderia ter tido...

"Que pessoa não ficava de vez em quando deitada na cama imaginando como sua vida teria sido se tivesse tomado outro rumo?"

- É quando Loukas reaparece em sua vida, trazendo de volta o passado, fazendo exigências e ameaçando mais que sua segurança... colocando em perigo um coração já destroçado. Seria forte o bastante para não se render à paixão que ainda a consumia? E como esconder que durante todos aqueles anos jamais deixara de amá-lo? Ainda que não tivesse toda a experiência que ele com certeza adquirira ao longo da vida, sabia que Loukas não a procurava para uma conversa amigável. Ele queria vingança. Queria dar o troco pelo que achava que ela havia feito. E ela sabia também que estava na hora de encerrar de uma vez por todas aquela história. Não passaria a vida inteira dependente daquele amor... dependente dele

- Faz muito tempo que li um livro da Sharon Kendrick. E creio que foi por ter sérios problemas com a história. rs Ou mais precisamente: com o mocinho do tal livro. Algo que não acontece com Tesouro Escondido. Embora não seja uma história que tenha me provocado fortes emoções, eu gostei bastante. E não me arrependo de ler. Apenas não leria de novo.kkkkkkk...

- A história entre Jessica e Loukas é complicada. Os dois tiveram uma infância de dor, que marcou profundamente suas vidas e desempenhou grande papel em suas escolhas. Eles tinham pavor de amar. Não queriam voltar a sofrer. Não desejavam que outro ser humano pudesse deixá-los vulneráveis como um dia estiveram. Sofriam justamente por medo de sofrer e eu compreendo muito isso. Posso entender exatamente o que se passava pela mente e o coração dos dois. E lamento que eles tenham causado uma grande bagunça e tanta mágoa um no outro por causa disso.

- Embora tenham se permitido um relacionamento, nunca baixaram por completo suas defesas. Nunca abriram o coração. Só falavam com seus corpos e qualquer conversa pessoal era proibida. Assim, ambos se viam inseguros, sem saber o que tinham e o que esperar. Mesmo assim, quando a relação é descoberta pelo pai de Jessica, que reage muito mal, Loukas a pede em casamento. Sendo imediatamente rejeitado. Então ele vai embora... prometendo a si mesmo que um dia a faria pagar por ter brincado com ele. Por tê-lo usado e descartado como se não significasse nada. Ou seja, ele a culpa por não enxergar que o que eles tinham era forte, que ele a amava. A culpava por ela não ver o que ele próprio jamais permitiu que ela enxergasse. Louco, não é?rsrs Do mesmo modo, a Jessica acreditava ter tomado a decisão correta já que sabia com toda a certeza que para ele não passara de uma aventura, que ele nunca sentiu por ela o amor que ela sentia por ele. Faltou conversa. Faltou confiança. Sobrou dor nessa relação. Mas a verdade é que a separação se fez necessária, pois naquela época nenhum dos dois estava realmente preparado para algo mais sério. Muito menos para um casamento. Não era o momento certo. Por mais dolorosa que a separação tenha sido, foi o melhor. 

- Eu gostei muito deste casal. Fiquei com vontade de bater nos dois? Claro!rs Quis sacudi-los, gritar em seus ouvidos que eles precisavam parar de presumir o que o outro sentia e em certas ocasiões senti ganas de simplesmente desistir dos dois. Já estava ficando sem paciência.rs Porém, embora de modo geral tenha gostado demais deles, a história não me provocou nem metade da emoção que eu imaginava sentir. Não tocou meu coração. Não me fez sorrir ou chorar. E por isso recebeu apenas 3 estrelas. 

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Seis Anos Depois - Harlan Coben

(Título Original: Six Years
Tradutor: Ricardo Quintana
Editora: Arqueiro
Edição de: 2014)

Jake Fisher e Natalie Avery se conheceram no verão. Eles estavam em retiros diferentes, porém próximos um do outro. O dele era para escritores; o dela, para artistas. Eles se apaixonaram e, juntos, viveram os melhores meses de suas vidas.

E foi por isso que Jake não entendeu quando Natalie decidiu romper com ele e se casar com Todd, um ex-namorado. No dia do casamento, ela pediu a Jake que os deixasse em paz e nunca mais voltasse a procurá-la.

Jake tentou esconder seu coração partido dedicando-se integralmente à carreira de professor universitário e assim manteve sua promessa... durante seis anos.

Ao ver o obituário de Todd, Jake não resiste e resolve se reaproximar de Natalie. No enterro, em vez de sua amada, encontra uma viúva diferente e logo descobre que o casamento de Natalie e Todd não passou de uma farsa.

Agora ele está decidido a ir atrás dela, esteja onde estiver, mas não imagina os perigos que envolvem procurar uma pessoa que não quer ser encontrada.

Em Seis Anos Depois, Harlan Coben usa todo o seu talento para criar uma trama sensacional sobre um amor perdido e os segredos que ele esconde.


Palavras de uma leitora...


"- Você quer tanto isso, essa segunda chance, a oportunidade de redenção que não consegue enxergar a verdade.
- E que verdade é essa, Benedict?
- Ela se foi - disse ele, apenas. - Largou você. Nada vai mudar isso."


- Seis anos antes, num dos piores momentos de sua vida, Jake conheceu a mulher que o ensinaria a amar, apenas para partir seu coração em vários pedaços depois. No momento em que ela lhe dissesse adeus e se casasse com outro, como se o tempo que viveram juntos não tivesse significado nada. Como se todo o amor, a sensação de que tinham sido feitos um para o outro, não passasse de uma ilusão. Um amor que só ele viu, mas que ela jamais chegou a sentir. 

Destroçado pela maneira como ela jogou fora tudo o que partilharam, ele compareceu ao casamento e assistiu, com uma dor que não saberia explicar, sua mulher trocando votos diante de um altar, encerrando a história deles dois. Mas antes de partir, ela fez questão de fazê-lo entender que estava realmente tudo acabado. Que ele não deveria procurá-la. Nunca mais. 

"- Prometa que não vai nos seguir, telefonar nem mandar e-mail.
A dor no peito aumentou, incisiva e pesada.
- Prometa, Jake. Prometa que vai nos deixar em paz."

- E assim os anos se passam... Por mais que tenha pensado em ir atrás dela durante todo aquele tempo e não tenha existido um só dia no qual não a recordasse, ele manteve sua promessa. Se ela não queria vê-lo, tudo bem. Não a incomodaria. Não roubaria sua paz ou prejudicaria de alguma forma a sua felicidade. A amava tanto que estava disposto a passar a vida em tormento se isso significaria que ela estaria bem, que poderia ser feliz. Mas, então, Todd, o marido de Natalie, morre e ele não consegue resistir ao desejo de vê-la mais uma vez. Nem que fosse no velório do marido. Quebraria sua promessa, por alguns instantes, e depois seguiria em frente. Só precisava vê-la. Nada mais. Uma última vez. 

"Faria o que Natalie me pedira. Iria deixá-la em paz. Pensaria nela todos os dias, mas nunca telefonaria, não tentaria me aproximar nem a procuraria on-line. Manteria a promessa.
Por seis anos."

- Porém, ao comparecer ao velório de Todd, toda sua vida toma um novo e arriscado rumo, quando ele percebe que a viúva daquele homem não é a mulher que ele conheceu anos antes e o abandonou. A viúva não era Natalie, mas sim uma mulher completamente diferente. O que estaria acontecendo ali? Teria aquele homem duas famílias? Ou... tudo não passara de uma grande mentira, de uma farsa muito bem armada para forçá-lo a desistir dela? 

Completamente atordoado por aquela descoberta, Jake vai atrás de resposta. E quanto mais perguntas faz mais perto da morte também fica. Seis anos antes... Natalie desaparecera de sua vida. E não existia nenhuma pista de seu paradeiro. Agora... ao mexer naquele passado, ele colocava em perigo não só a própria vida, mas também a de muitas outras pessoas. O que se esconderia por trás do desaparecimento de Natalie? Que segredos ela ocultaria? Fosse o que fosse, ele iria descobrir. Precisava encontrá-la. Necessitava entender o que a levara a partir. E mais do que tudo, necessitava ter a certeza de que a sua amada não estava em perigo. Estava disposto a arriscar o que fosse preciso para achar a mulher da sua vida. Ainda que isso, literalmente, custasse a vida dele. 

"- Escute-me com toda atenção. Eles podem encontrar Natalie primeiro. [...] - ou nós podemos. A escolha é sua. 
Era verdade. Porém, mais do que isso, ele tinha deixado de fora uma última possibilidade, por mais remota que fosse.
Eu poderia encontrá-la antes de todos."

- Assim que iniciei a leitura desta história, não consegui parar. Quanto mais eu lia mais queria ler. Porque o autor nos envolve bastante ao criar todo aquele mistério e não temos coragem de largar o livro enquanto não descobrimos tudo.rs Eu queria saber que segredos Natalie escondia, o que a levara a ir embora, se estava viva ou morta... e se Jake conseguiria encontrá-la. Não me atreveria a parar de ler enquanto não tivesse a resposta para todas as minhas perguntas. 

E, no final das contas, eu descobri tudo antes mesmo do protagonista.kkkkkkkkk... Quanto mais o Jake obtinha respostas que ele ainda não conseguia interligar, mais informações ele me dava para montar o quebra-cabeças, ainda mais quando eu tinha como base um livro anterior do autor, que jamais pude esquecer: Não Conte a Ninguém. Por mais diferente que Seis Anos Depois seja, se já tivermos lido Não Conte a Ninguém é muito fácil seguir uma determinada linha de raciocínio e chegar a todas as respostas. Foi fácil, fácil.rs E até mesmo a maneira como o livro terminaria eu pude imaginar. E isso não prejudicou em nada o livro. Porque tinha que terminar exatamente daquele jeito. Eu ficaria decepcionada com outro final. 

"Todos têm um tipo próprio de loucura." 

- E não há dúvidas de que Jake é 99% louco.rsrsrs... Porque somente uma pessoa nada normal faria as coisas que ele fez. Bem...somente uma pessoa louca ou... completamente apaixonada, certo? Não tem como duvidar do amor que ele sentia pela Natalie. Ela era todo o seu mundo. Sem ela... ele apenas respirava sem de fato viver. E me surpreende muito que ele tenha conseguido manter a promessa por seis anos, que não tenha ido atrás dela antes. Todo esse amor é lindo, de nos fazer suspirar... mas é também um amor perigoso, que o faz bater de frente com a morte várias vezes. E nem mesmo assim ele desistia. Só conseguia pensar que precisava encontrá-la. Que tinha que salvá-la. Quem não iria querer ser amada assim?! Suspiros...

- A história só não ganhou 5 estrelas porque eu achei que algumas coisas poderiam ter sido melhor desenvolvidas, que outros personagens deveriam ter tido um papel mais ativo por serem importantes para os acontecimentos... Mas eu amei o livro! E o recomendo muito! Vale a pena! A história nos envolve do começo ao fim e ficamos com uma sensação muito boa depois. Eu simplesmente amei! :)

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

A Herdeira - Kiera Cass



Série a Seleção - Livro 4

Trinta e cinco pretendentes e uma princesa. Uma nova Seleção começou.

Vinte anos atrás, America Singer participou da Seleção e conquistou o coração do príncipe Maxon. Agora chegou a vez da princesa Eadlyn, a filha mais velha do casal. 

Criada para ser uma líder forte e independente, ela nunca quis viver um conto de fadas como o de seus pais. Por isso, antes de conhecer os trinta e cinco pretendentes que irão disputar sua mão numa nova Seleção, a jovem está totalmente descrente.

Mas, assim que a competição começa, a situação muda de figura, e Eadlyn percebe que encontrar seu príncipe encantado talvez não seja tão impossível quanto imaginava. 



Palavras de uma leitora...


- Pensem numa criatura extremamente mimada, egoísta e insuportável. Que te dá nos nervos apenas lembrar! Pensaram?! Pois bem. A protagonista desta história é exatamente assim. Não me recordo de já ter conhecido mocinha mais infantil e superficial. 

"Por acaso não sabiam quem eu era e para que haviam me treinado? Eu era Eadlyn Schreave. Nenhuma pessoa era tão poderosa quanto eu."

- Confesso a vocês que estou muito decepcionada. A história de America e Maxon tinha terminado de maneira inesquecível, se tornando o meu livro preferido da série. O amadurecimento dos protagonistas, a participação mais ativa de personagens que roubaram nosso coração, os ataques rebeldes que levaram parte de nós... tudo contribuiu para tornar o livro marcante. Maravilhoso! Terminei a leitura com um sorriso e lágrimas nos olhos. Muito feliz pelo casal, mas destruída pela morte de personagens que eram importantes para mim, que deixaram muito deles no livro e levaram muito de nós quando partiram. A Escolha mexe com nossas emoções, encerra a história do casal de maneira brilhante. E por mais que eu não imaginasse que poderia amar a história da filha de America e Maxon como amei a deles, não passou pela minha cabeça que eu fosse odiar a história e querer esganar a protagonista. O que a Kiera Cass fez com essa série????!!! É por isso que chego a sentir arrepios quando alguns autores decidem continuar histórias que, inicialmente, eles não planejavam continuar. Por causa de desastres como os que vi em A Herdeira. Para mim, (lembrando que é apenas a minha opinião pessoal; opinião esta que, como leitora, eu tenho o direito de ter) é como se a autora destruísse com as próprias mãos toda a série. Porque A Herdeira, infelizmente, manchou tudo para mim. Sempre que eu lembrar da America e do Maxon não conseguirei não lembrar do desastre que é a filha deles. 

"Isto não é um jogo, cavalheiros. Isto é a minha vida."

- Sério que era a vida dela? E existiria alguma coisa que Eadlyn fosse capaz de enxergar além da própria vida? Tudo girava em torno dela. E se não girasse, teria que girar, pelo simples fato de ela desejar que fosse assim. Ela se considerava alguém tão especial, que estava acima de todos os outros, incluindo seus próprios pais e irmãos. Porque ela seria rainha. Porque o trono era dela. Então, todos deveriam adorá-la e amá-la, por mais que ela não desse motivos para ninguém amá-la. Muito menos seu povo. Quando foi que ela pensou nas necessidades de alguém? Nos sentimentos de qualquer pessoa?! E ainda tinha a petulância de se considerar uma pobre coitada que não era entendida por ninguém. Ah, por favor! Haja paciência para aturar alguém tão egocêntrico e desprezível! E eu não sou uma pessoa que se possa considerar muito paciente. Ainda que fosse! Com a Eadlyn não dá! Ela simplesmente não desce pela minha garganta. Fico me perguntando como da America e do Maxon, dois personagens lindos, bondosos e comprometidos com o povo deles... pôde sair alguém como a Eadlyn. São coisas assim que jamais entenderei, sério.rsrsrs...

- A história se inicia vinte anos após o final de A Escolha. Após as reviravoltas angustiantes das páginas finais, que resultaram na separação do casal, seguida pela morte brutal dos pais do Maxon num ataque rebelde que os assombraria por toda a vida, America e Maxon finalmente percebem que não importava o quanto brigassem e considerassem que uma vida juntos seria recheada de imperfeições, se amavam demais para desistir um do outro. Então, eles reencontram o caminho que os unia e passam juntos por aquele momento de dor, quando toda Illéa parecia chorar a perda de seus entes queridos. Com a morte dos pais, Maxon se torna automaticamente rei, assumindo a responsabilidade por um país em crise, mas cheio de sonhos de tornar aquele um lugar melhor para todos. Ao lado de America, dá esperanças ao povo... Faz com que toda a população acredite num amanhã. Num amanhã que ele pretendia tornar realidade. E consegue. 

- Em A Herdeira, conseguimos perceber o que aconteceu com a população de Illéa durante os vinte anos que se passam. É lindo saber que o sistema de castas foi derrubado, tornando-se apenas uma lembrança amarga para muitos e doce para os poucos que eram privilegiados por tal sistema. Vemos também que o país comemorou com o casal o nascimento dos gêmeos, Eadlyn e Ahren (que se torna herdeira do trono por ter nascimento sete minutos antes do irmão), assim como também se emocionaram quando mais dois bebês nasceram, completando essa bela família, que tanto tinha feito por todos. Mas então... percebemos também que America e Maxon pagaram um alto preço por toda a dedicação... por todas as melhorias que levaram para seu povo. E que, no final das contas, não parecia ter valido a pena. 

- É triste demais ver o meu casal tão cansado, como se tivessem mais anos do que realmente tinham. Cada vez que eles apareciam, ainda que tivéssemos o desprazer de ter que vê-los pelos olhos da insuportável, a sensação que tínhamos era de que eles carregavam o peso do mundo nas costas. As preocupações os consumiam e como se não bastasse toda a pressão que estavam suportando, ainda vinha a Eadlyn com seus caprichos e birras. O que me fazia desprezar ainda mais essa garota.

Com o fim da divisão em castas da população, novos problemas surgiram. Embora as pessoas tenham apreciado e apoiado a liberdade que todos passaram a ter...isso não acabou com a realidade que sempre irá existir em qualquer país: seguiriam existindo os que tinham muito, os que tinham o necessário, os que tinham pouco e... os que não tinham nada. Mesmo sendo um rei bom e amado, que se importava realmente com seu povo, Maxon não podia acabar com essa realidade. As pessoas pareciam não entender que para o país crescer e maiores oportunidades surgirem para todos... a população toda precisaria fazer a sua parte. Só que ninguém entendia. Muito menos quando se tornava mais e mais evidente que logo America e Maxon deixariam o trono e o passariam para sua filha. Alguém que o povo não queria. Alguém que era desprezada e as pessoas viam como uma ameaça. É a partir daí que surge uma insatisfação cada vez mais crescente e o povo passa a ansiar pela queda da monarquia. Já não queriam reis. Porque não queriam Eadlyn. Quem pode condená-los por isso?! Eu, com toda certeza, não! 

Desesperado para distrair a população, enquanto pensa numa maneira de consertar as coisas e melhorar a vida dessas pessoas, Maxon sugere que façam uma nova Seleção... Vinte anos antes, ele conheceu America entre outras 34 garotas, na Seleção que representava sua única oportunidade de ser feliz. Agora, embora as coisas tenham mudado e sua filha não seja obrigada a encontrar um marido da mesma forma que ele conheceu America, Maxon suplica que sua filha lhe ajude e participe da Seleção. Então, batendo o pé e fazendo cenas, Eadlyn acaba concordando. Não por seu povo. Nem por seus pais. Apenas porque era o que esperavam dela. Mas ela coloca na cabeça que vai infernizar a vida de cada um dos 35 pretendentes e que no final das contas não escolherá nenhum. Porque não precisa de amor e nem de ninguém. Afinal de contas, ela será rainha. Não existe pessoa mais poderosa e importante do que ela. Algo que ela repete bastante no livro, de diversas maneiras. 

- Eu detestei o livro de maneira geral. Ele é todo escrito segundo a visão dessa criatura infantil e não existiria forma da história me agradar assim. Não quando era justamente essa menina que narrava tudo. Além disso, ela não conseguia sequer dizer nada que fosse inteligente. Suas conversas eram muito tolas, extremamente superficiais e cansativas. E isso se aplica aos Selecionados. Nenhum deles me cativou. Nenhum deles tornou esta leitura suportável. O livro inteiro é uma completa perda de tempo. 

Mas sabe uma coisa que fez meu sangue ferver? A maneira como a autora transformou o meu casal querido em pessoas que eles NÃO eram!!!! Há muito tempo, nas aulas de História, eu ouvi o professor falar em "pão e circo" e "Roma". Ainda que a gente não recorde o que significa isso, ao lermos o que Maxon pretendia fazer, pensamos imediatamente em "pão e circo". A maneira como ele pretendia iludir, distrair a população dos problemas sérios que estavam acontecendo no país, é lamentável. Totalmente em desacordo com o que conhecemos dele. Por favor, eu tive três livros para conhecer o Maxon e a America! Foram três livros contando somente a história deles. Creio que isso me torne capaz de concluir que essas atitudes iam contra o que eles sempre acreditaram e tudo o que fizeram pelo país. A America e o Maxon que eu conheço jamais recorreriam a algo assim. Eles nunca foram covardes. E jamais seriam. É por isso que esquentou meu sangue ver uma America tão apagada e um Maxon tão conformado neste livro. Além do fato de eles terem permitido que a Eadlyn chegasse ao ponto que chegou e quase arruinasse o país inteiro com seu egoísmo. 

- Na minha opinião, a série poderia ter terminado no livro 3. Ou eu deveria ter encerrado a leitura desta história no 3º livro...

- Dei 2 estrelas ao livro. E somente porque America e Maxon apareceram, por mais que não sejam eles mesmos. Se eles não fizessem parte de A Herdeira, nem 2 estrelas a história teria recebido!

- Eu lerei o quinto e último livro da série. Apenas porque se cheguei até aqui tenho que terminar. Mas se a autora levar adiante a ideia que começou nas páginas finais deste livro, nunca mais na vida lerei algo escrito por ela. É uma promessa. 


Série A Seleção

4- A Herdeira
5- A Coroa

sábado, 6 de agosto de 2016

A Escolha - Kiera Cass

(Título Original: The One
Tradutor: Cristian Clemente
Editora: Seguinte
Edição de: 2014)

Série A Seleção - Livro 3


Quando foi sorteada para participar da Seleção, America não imaginava que chegaria tão perto da coroa - nem do coração do príncipe Maxon. Com o fim do concurso cada vez mais próximo, e as ameaças rebeldes ao palácio ainda mais devastadoras, ela se dá conta de tudo o que está em risco e do quanto precisará lutar para alcançar o futuro que deseja. 

America já fez sua escolha, mas ainda há muitas outras em jogo... Aspen, seu antigo namorado, terá de encarar um futuro longe dela. E Maxon precisa ter certeza dos sentimentos da garota antes de tomar a grande decisão, ou acabará escolhendo outra concorrente. 


Palavras de uma leitora...



"Eu estava encurralada por todos os lados, perdendo tudo o que sempre fora importante para mim."

- Tantos acontecimentos... Ainda me custa crer que tanta coisa se passou em tão poucas páginas. Foram reviravoltas de tirar o fôlego e partir nosso coração. Ansiava pelo desfecho da história, mas não imaginava que sofreria tanto quando o momento chegasse. 

Após terminar de ler A Elite, eu corri para a continuação, mais do que desesperada para saber como tudo terminaria. Claro que sabia que America ganharia. Que ela conquistaria o coração do nosso mocinho. Apesar de todos os problemas e de tudo que estava contra eles, não tinha dúvidas de que ela seria a escolhida. Só que... muita coisa se passa antes disso. A Escolha é um livro intenso, arrebatador, leve e profundo, divertido e angustiante. Eu ri muito, gargalhei com algumas cenas. Mas também chorei. E tenho a sensação de que falta um pedaço de mim. 

"Pensei que estivéssemos entendidos depois do abrigo. Mas parecia que tudo tinha ficado mais complicado do que antes, quando eu ainda tentava decidir o quanto gostava dele. Eu não sabia o que isso significava para nós. Nem se ainda havia um nós com que valesse a pena me preocupar."

- Para quem não leu os livros anteriores, é claro que esta resenha terá spoiler.rs

Em A Elite, após os tristes e chocantes acontecimentos que tiraram Marlee, melhor amiga de America, da Seleção, e a fizeram ser açoitada em público, apenas cinco garotas restaram. A saída de Marlee foi um ponto impactante na história não só para ela, mas sobretudo para America e sua posição diante dos olhos da população de Illéa, que se voltou contra ela, considerando-a cúmplice da traição de sua amiga. 

Marlee jamais quis conquistar o coração do príncipe. Seu segredo mais bem guardado era o amor que sentia por um dos guardas do palácio, alguém com quem ela pretendia passar o resto da vida. Determinada a ficar até o momento que Maxon a eliminasse, para que assim pudesse ver todos os dias o homem amado, Marlee não pensou nas consequências de sua decisão, pois um momento de descuido foi o suficiente para quase acabar com a vida dela e de Carter.

Ao serem flagrados num momento íntimo, ambos foram condenados à morte por traição. Não querendo que alguém morresse por causa de leis que ele próprio não aprovava e considerava desumanas, Maxon perdoou suas vidas, mas seu pai e o povo de Illéa jamais permitiriam que tal crime passasse impune e assim o casal foi condenado ao castigo físico... sendo ambos açoitados à vista de todos. Inclusive de America que nem numa outra vida seria capaz de ver tamanha crueldade sem fazer nada. Ao inferno com o rei e suas leis! Porque ela lutaria com unhas e dentes para defender aquela que foi como uma irmã para ela em cada dia que passaram juntas naquele lugar. E foi exatamente o que ela fez. Lutou. Uma luta em vão... que só causou mais sofrimento a todos que se importavam com as duas. E fez o povo clamar para que ela fosse eliminada da Seleção. Afinal de contas, uma jovenzinha que se atrevia a tentar poupar uma "criminosa" de seu castigo, que eles consideravam pouco diante da monstruosidade do seu crime, jamais seria digna de se tornar princesa. Ninguém ali parecia enxergar que o único pecado de Marlee tinha sido amar...

O que acontece com Marlee afeta diretamente a relação entre America e Maxon, que sempre foi muito frágil diante das complicações da seleção e dos sentimentos que ela ainda possuía por Aspen. Quando finalmente parecia que eles iriam se acertar e que ele a escolheria, a crueldade do que acontece com sua amiga a abala profundamente, fazendo-a pôr em dúvida tudo o que sabia sobre o homem que estava começando a amar e que até então ela acreditava ser uma boa pessoa. Mas como alguém poderia permitir que outra pessoa passasse por tamanha dor sem fazer nada para impedir? Ela implorou. Suplicou aos gritos que ele parasse com aquilo, mas Maxon não quis ouvi-la. E isso construiu um abismo entre eles... e parecia que ponte alguma seria capaz de fazê-los achar o caminho de volta um para outro. 

"- Depois de todo esse tempo, ainda sinto que há um abismo entre nós. A Seleção o obrigou a entregar seu afeto em pedaços. Nunca terei você por completo. Nenhuma de nós terá.
Novamente, me esforcei para escapar de suas mãos, mas dessa vez ele não tentou me segurar."

- As acusações, indecisões e frieza de nossa mocinha acabam por jogar Maxon na direção das outras garotas, que estavam mais do que dispostas a consolá-lo e fazê-lo enxergar que America não seria a escolha certa. Que ela jamais o amaria e aceitaria como quaisquer das outras. Magoado e desejando que, ao menos uma vez na vida, alguém o compreendesse e amasse, Maxon se aproxima cada vez mais de Kriss, aumentando seriamente a distância que existia entre ele e America. 

Confusa com as atitudes de Maxon e sua incapacidade para entender tudo o que se passava com ela, America chega à conclusão de que o mais seguro seria retornar para Aspen. Esquecer de uma vez por todas tudo o que havia vivido no palácio e fingir que jamais conhecera o príncipe. Que tudo não passara de um sonho que chegara ao fim. Não queria ser princesa. Jamais desejou tal coisa. E não suportaria toda a angústia e injustiça que viriam junto com o título. Se em algum momento quis ganhar, foi por ter conseguido ver além do que ele mostrava aos outros. Foi por ter enxergado um ser humano por trás da máscara de aparente indiferença. 

"[...] É só que, quando estamos juntos, sinto que sou America. Não uma casta ou parte de um plano. Também não o vejo como alguém distante. Ele é apenas ele, e eu sou apenas eu."

- Porém, mesmo acreditando que no fim acabaria por perdê-la, Maxon não desiste de America e tenta encontrar a maneira de fazê-la voltar a confiar nele... e, o mais importante, aprender a amá-lo. Só que mesmo quando voltam a aproximar-se e a parecer mais unidos do que nunca, as inseguranças de ambos acabam por fazê-los pagar um alto preço... 

"Ele abriu os braços, e eu me joguei neles. Maxon me abraçou em silêncio, acariciando meus cabelos. Queria poder apagar tudo e ficar apenas com aquele momento, aquele breve segundo em que ele eu sabíamos o quanto significávamos um para o outro. 
- Por favor, não chore, querida. Eu pouparia suas lágrimas o resto da vida, se pudesse. 
- Eu nunca mais vou ver você." [Trecho do livro A Elite]

- No final de A Elite, levada pelos ciúmes que sentia por Maxon e a revolta por descobrir tudo que havia por trás do sistema de castas e da monarquia que governava seu país, America toma a decisão de contar ao povo toda a verdade que conhecia. Começando por sugerir à população o fim das castas, ela tenta expor a sujeira oculta nos diários do primeiro monarca de Illéa, mas é impedida pelo rei e expulsa da Seleção. 

Lutando pela mulher que amava, Maxon enfrenta o pai para defender America de sua maldade e impedi-lo de afastá-los, mas todos os seus esforços de nada servem. Maxon acaba por receber no lugar dela a surra que o rei pretendia lhe dar. A vida inteira, ele havia apanhado do pai, que acreditava que aquela era a melhor forma de tratá-lo e mantê-lo sob seu controle. Cada tentativa de rebeldia lhe custava muito caro. As marcas em suas costas eram a prova de todas as vezes em que tentara se libertar e fazer o que considerava certo. Daquela vez, não foi diferente. Jamais permitiria que o pai a machucasse como o havia ferido por tantos anos. Além de receber a surra em seu lugar, Maxon percebe que não existiria maneira de manter America ao seu lado. E então, aceita o fim. Despedindo-se para sempre da única mulher que havia chegado a amar...

Mas certas reviravoltas, forçam o rei a reconsiderar sua decisão. Poderia odiar America com todas as suas forças e desejar vê-la morta, mas sabia perfeitamente que se ela fosse embora as chances de perder Maxon seriam enormes. Para manter o filho ao seu lado e concentrado em suas obrigações, ele sabia que ela precisaria ficar. Mas que ninguém tivesse dúvidas de que ele faria até o impossível para que ela não fosse escolhida...

"Pela primeira vez, meu sentimento era sólido. Não tentava me distanciar, apegada a Aspen e a todas as dúvidas que vinham junto. Não estava me envolvendo com Maxon e, ao mesmo tempo, mantendo um pé na porta para o caso de ser rejeitada. Simplesmente deixei as coisas acontecerem.
Eu o amava."

- Em A Escolha os laços entre America e Maxon se tornam mais fortes, apesar das inseguranças ainda permanecerem. Levada pelo medo dele, no fim das contas, acabar por partir seu coração e se casar com outra, nossa mocinha não consegue se entregar por completo, mantendo a parte mais importante de si mesma protegida, e assim aumentando as dúvidas de Maxon e impedindo-o de confiar nela o suficiente para encerrar a seleção e pedi-la em casamento. America sempre lhe pediu tempo... Agora, era ele quem necessitava de tempo para acreditar que o amor que ela sentia pelo ex tinha acabado... que ela seria capaz de amá-lo e ser feliz ao seu lado. Mas tempo, definitivamente, era tudo o que ninguém ali teria...

" — Olhe para mim, America.
Pisquei algumas vezes e olhei para ele. Mesmo com a dor, ele abriu um sorriso.
— Pode partir meu coração. Mil vezes, se desejar. Sempre foi seu para machucar como quiser."

- Nesta terceira e última parte da história do casal, além das intrigas e todos os medos que sempre o fazem dar um passo atrás... ameaçando sua relação, America e Maxon enfrentam problemas ainda mais sérios quando os ataques dos rebeldes do sul se tornam mais violentos e o número de mortes cresce. Os rebeldes não só queriam destruir a monarquia, queriam também que a Seleção acabasse e para tanto passaram a atacar a família das garotas, provocando terror na população e assassinatos que marcarão para sempre a vida de todos. Incluindo a de nós leitores. 

"— Você… não sente repulsa? — ele perguntou, hesitante.
— O que você quer dizer?
— Minhas costas.
Acariciei seu rosto e olhei bem fundo em seus olhos, para não deixar dúvidas sobre meus sentimentos.
— Maxon, algumas dessas cicatrizes estão nas suas costas para que não estivessem nas minhas, e eu amo você por isso."

- Este é, sem sombra de dúvidas, o melhor e mais triste livro desta série. Chorei pelo casal, chorei pelas outras garotas... chorei por tantos personagens que é bem provável que tenha esgotado o meu estoque de lágrimas.rs A série começa de maneira superficial, com personagens imaturos que não tinham muita noção do que exatamente queriam para suas vidas e muito menos com forças suficientes para lutar pelos próprios sonhos. Mas ainda no primeiro livro percebemos o crescimento começar a acontecer... Em A Elite, é evidente o amadurecimento não só do casal, mas também de outros personagens da série. E temos a oportunidade de conhecê-los melhor. De enxergá-los como pessoas, com qualidades e defeitos. Mas é somente neste último livro que eles atingem o ponto em que são capazes de perceber tudo o que era realmente importante para cada um deles. Quais sonhos queriam realizar e quais poderiam deixar para trás. É aqui que eles resolvem lutar. Por eles mesmos. Por suas vidas. E é delicioso e ao mesmo tempo muito doloroso acompanhá-los. Não creio que algum dia serei capaz de esquecer cada um deles, até mesmo o rei com sua tirania dos infernos. Penso que esses personagens estarão sempre em minha memória. E jamais vou aceitar o fim de alguns deles. Não seria capaz. 

"Olhei nos olhos dele; podia sentir as lágrimas ameaçando sair. Como digo adeus para você?"

- Uma das coisas consistentes nesta história, que ora me irritava ora me emocionava, foi o amor da mocinha pelo Aspen. Sim, eu acredito que foi amor. Um amor de menina, um amor puro, suave e idealista, mas ainda assim amor. Ela não o tinha amado como veio a amar o Maxon depois. Não foi com o mesmo desespero ou a mesma profundidade, mas o amou demais. E não nos convenceria se ela de uma hora para a outra deixasse de se importar com ele ou vice-versa. O que existia entre eles era forte e ainda que seu coração pertencesse ao Maxon e o Aspen também viesse a amar outra pessoa, eles seguiriam sendo muito importantes um para o outro. Ele sempre estaria ali para ela, capaz de dar a própria vida para protegê-la... e o mesmo se passaria com ela. Não era uma história que pudesse terminar. E eu entendo isso. A relação entre os dois era muito linda. Por mais incrível que possa parecer, eles ficaram ainda mais conectados após terminarem. Eu senti muita raiva do Aspen em certos momentos, por ele colocá-la em perigo cada vez que tentava se aproximar, uma vez que ambos sabiam que qualquer contato que tivessem poderia fazê-los ser acusados de traição e condenados à morte. Nesses momentos, quando meu coração quase saía pela boca temendo que o rei descobrisse que eles tinham um passado e se aproveitasse disso para destruir a America, eu sentia ânsias de esganar o Aspen. Mas com o tempo... pude perceber que colocá-la em perigo era algo que ele jamais desejou. Ele era o seu eterno protetor. E seria assim até o último dia de sua vida. Não pude não amar a história entre esses dois. 

- O desfecho desta história não é só alegria. Embora as páginas finais tenham me feito sorrir encantada e tenham me emocionado, não pude me livrar do sentimento de tristeza por certas coisas. Acaba por ser um final agridoce. E inesquecível. 

- Por que eu digo que a história entre o casal termina aqui? Ocorre que a partir do 4º livro da série, conheceremos a história da filha deles, que viverá sua própria Seleção. Só me pergunto se conseguirei amar a história dela tanto quanto amo a dos seus pais.rs

"— Maxon Schreave, eu amo você. Eu amo você.
— E eu amo você, America Singer. Amo você com todo o meu coração."


Série A Seleção

3- A Escolha
4- A Herdeira
5- A Coroa